Semana de Direitos Humanos levanta debates sobre o tema de forma lúdica

Ao longo de toda a semana, todos os 50 projetos sociais da UNAS realizaram atividades que promovessem debates, ações e reflexões sobre direitos básicos a toda população.


“Todo ser humano tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição.” Assim começa o artigo 2 da declaração Universal dos Direitos Humanos, mas como garantir que todos tenham seus direitos garantidos mesmo que não saibam quais sejam? A UNAS trabalha com seus beneficiários dentro dos projetos a garantia de que todos saibam seus direitos sejam eles quais forem, desde 2015 os projetos da organização dedicam uma semana inteira a trabalhar com diversas atividades os artigos da declaração garantindo que todos os envolvidos conheçam seus direitos na Semana de Direitos Humanos.

Neste ano, essa semana tão importante para todos começou no dia 22 de Agosto e foi até hoje (26), diversas atividades foram contempladas no escopo dos projetos, rodas de conversa, caminhadas, discussões, atividades lúdicas e muitas brincadeiras foram trabalhadas para garantir que os atendidos possam entender, compreender e disseminar seus direitos garantidos por lei. "Trabalhar direitos humanos é falar do atual cenário que as crianças estão vivendo, é trazer o que elas estão sentindo na pele no dia a dia, e como elas são impactadas, seja na saúde, na educação, pela fome, a miséria e todas as questões que compartilham em rodas de conversa.” ilustrou Flávio Lins, Coordenador Pedagógico do CCA Parceiros da Criança.

Direitos Humanos nada mais são do que o direito a sua individualidade, o direito de ser reconhecido como mais um que precisa do direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal, além da garantia do acesso à alimentação, à educação e a saúde de qualidade, saneamento básico, a moradia, a uma crença religiosa, a atividade intelectual e artística, a se comunicar, a um trabalho digno e o contato com o conhecimento seja ele qual for.


Todo o trabalho realizado em nossos projetos vai além do espaço físico onde o atendido fica, toda nossa Coordenação Pedagógica junto aos educadores, técnicos e articuladores sociais entendem as necessidades do entorno, ou seja, as discussões e atividades carregam a carência da região do beneficiário “As necessidades que os nossos atendidos encontram, a coleta de lixo, o descarte correto de lixo, pra quem tem animais recolher as necessidades do seu cachorro e a quantidade de lixo que eles encontram no caminho até o projeto, então assim, foi super bacana essa devolutiva deles, pois em cima disso a gente pode trabalhar com eles para serem multiplicadores com as famílias.” Disse a Coordenadora Pedagógica do CCA Pam, Angélica Santiago que trouxe o tema com muita arte e diversão, fazendo com que resulte sempre na disseminação do conhecimento, como quando as crianças e adolescentes compartilham o que aprenderam com seus pais e familiares, “Falamos para os nossos pais de uma forma que eles possam entender o que é, já que meu pai não teve muito estudo então eu passo para ele um pouco do que aprendo no CCA e um pouco do que aprendo na escola.” Disse Pedro Henrique Silva Lima, um dos adolescentes do CCA Pam.

Direito à saúde, educação, alimentação, à moradia, aos espaços públicos, LGBTQIAP+, o direito dos idosos, direito ao conhecimento, ao plantio e a arte foram alguns dos temas trabalhados nos projetos da UNAS, “Poder aprender sobre seus direitos por meio do lúdico, da brincadeira é importantíssimo.”, relata Giumara, Gestora do CEI Patativa do Assaré.


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo