top of page
  • Escrito por Wallace França | Editor Douglas Cavalcante

14ª Caminhada pela Paz no Jd. São Savério leva o debate sobre direitos às ruas da comunidade

Sob chuva moradores, ativistas e jovens saíram às ruas do fundão do Ipiranga reivindicando garantia de educação, saúde e renda


Aconteceu nessa sexta-feira (24) a tradicional Caminhada pela Paz na região do Jardim São Savério e Parque Bristol, contando com uma grande participação também de moradores dos demais bairros do entorno, juntamente com presença expressiva de trabalhadores dos diversos equipamentos e projetos sociais da UNAS.

Sob o tema “Educação, saúde e renda! A Favela faz parte da cidade”, a 14ª Caminhada da Região segue com o objetivo de mobilizar a população para uma consciência e um maior entendimento de que precisamos estabelecer uma real e verdadeira Cultura de Paz a partir da garantia dos direitos humanos em sua plenitude.


A concentração para a caminhada começou às 13 horas em frente a Escola Álvaro de Souza Lima que também participou da caminhada com a presença de alunos e professores. Muitos cartazes, faixas e criativos adereços, trouxeram de maneira muito colorida e vibrante, a temática da caminhada e também a menção do “Maio Laranja” que evidência o combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes.



Maria da Piedade Freitas, trabalhadora da UNAS e moradora do Jardim São Savério, destaca a importância do ato durante esses quatorze anos onde ela esteve presente, inclusive durante a primeira edição. Piedade muito feliz com a realização de mais um ato, trouxe a camiseta dessa primeira edição, fazendo memória do começo do processo de mobilização popular no território.

“A primeira caminhada foi muito emocionante mesmo, saímos pelas ruas com um grupo pequeno, mas muito empolgado em fazer a diferença aqui no nosso bairro e na região. Estarmos aqui hoje, unidos e lutando pela Paz com essa multidão de pessoas tão diversas depois desses quatorze anos é muito importante para mostrar para toda comunidade que temos essa capacidade de transformar o nosso território que já foi muito mais violento, e com as nossas caminhadas e demais projetos socias, podemos conscientizar outras pessoas da importância de seguir lutando.”


Antonia Cleide Alves, presidente da UNAS e Ivone Silva, vice-presidente da CUT São Paulo, acolheram todos os presentes motivando a participação mesmo com o princípio da chuva e que ao longo do percurso, acabou intensificando, mas não prejudicou a animação e energia dos que seguiram em caminhada. Falas importantes das lideranças do bairro, da juventude e de pessoas que impactam a realidade do território, motivaram os participantes ao longo de todo o trajeto.


Patrícia Aparecida Cândido de Souza, gestora do Cento de Educação Infantil do Jardim Clímax, atua na região e também mora no Jardim São Savério e destaca que o percurso traz à tona a realidade da população que é beneficiada pelos projetos, mas que ainda tem grandes dificuldades que implicam no desenvolvimento do território em sua integralidade e das pessoas que ali moram.

“Durante a preparação da caminhada, realizamos um percurso prévio, e também por morar no território, vejo toda a comunidade, mas quando adentramos pelas ruas e vielas, temos a visão de como ainda estamos em uma situação de risco, onde as crianças estão bem vulneráveis, trazendo pra gente uma realidade, que por mais que você esteja no mesmo bairro ou próximo, você ainda assim não tem a real noção do que está acontecendo ao lado e eu fiquei bem impactada com isso. Eu levei para equipe de trabalho essa visão e a importância de estarmos caminhando juntos com a população local, buscando essa conscientização das pessoas em relação a muitas coisas, principalmente relacionado as violências e a drogadição.”



O encerramento da caminhada aconteceu dentro da Escola Álvaro ao som da bateria do CCA Plácido que aqueceu os corações de todas as pessoas presentes, reiterando o compromisso que a UNAS Heliópolis e Região tem com a educação libertadora e transformadora na busca pela construção dos Bairros Educadores e da Paz e como destacou Antonia Cleide, precisamos cada vez mais nos unir na luta pela igualdade social. “Olhem um para o outro porque são com essas pessoas que a gente pode contar.”

220 visualizações

Comments


Posts Recentes
Arquivo
bottom of page