Ligue:

(11)2272-0140

(11)2272-0148

Endereço: 

Rua da Mina Central, nº38

CEP:04235460 -  Heliópolis SP 

DOE AGORA

Siga a gente 

© 2019 - UNAS Heliópolis e Região

Todos os Direitos Reservados 

Nota de Repúdio ao Genocídio da população Negra

November 20, 2016

O Movimento Negro da UNAS Heliópolis e Região, que subscreve essa nota, repudia veementemente os milhares de homicídios que ocorrem no Brasil e no mundo, motivado por discriminação, tendo como objetivo o extermínio de uma raça, ódio contra adeptos de religiões de matizes Africanas e a depreciação das cotas raciais. 

 

A cada vinte e três minutos um jovem negro é assassinado no Brasil, a situação socioeconômica e sociocultural são fatores determinantes para o risco de morte, ou seja, em comunidades periféricas essas estatísticas crescem em uma velocidade absurda. Ressaltando que entre os jovens negros de 18 a 29 anos o número de homicídios é assustador, segundo o “Mapa da Violência de 2016”, estudo anual coordenado pelo professor Júlio Jacobo Waiselfisz, o qual constatou que entre 2004 e 2014 houve um crescimento de 18,2% de homicídios contra negros, em contraponto a uma diminuição de 14,6% contra pessoas que não são pretas ou pardas (http://glo.bo/25iOQIe). Ou seja, o racismo segue matando (e muito!) no Brasil.

 

-  63 jovens negros são assassinados por dia no Brasil – um jovem negro morto a cada 23 minutos (http://bit.ly/2fCgknQ).

 

Entre o aumento desses dados estão diversos recortes, entre eles, mulheres negras (média de 2.875 homicídios, representando 45% das mulheres assassinadas anualmente), LGBT’s negros (média de 143 homicídios anualmente), entre julho de 2012 e dezembro de 2014, foram registradas 948 queixas de adeptos de religiões de matizes africanas e a juventude negra localizada principalmente nas periferias, mortes estas causadas em sua maioria por policiais.

 

A discriminação, a tortura e o genocídio da população negra são comprovados historicamente, antes mesmo dos terríveis tempos de escravidão. Dados do IBGE apontam que negros e pobres ocupam 7,6% dos alunos de faculdades públicas contra 36,4% de brancos e ricos, nas últimas décadas houve um crescimento mais acelerados após a implantação do sistema cotas raciais.

 

Em declarações recentes o vereador eleito Fernando Holiday (DEM-SP) afirma que pretende extinguir as cotas raciais e o feriado de 20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra, alegando “vitimismo” da população negra. Como mostramos acima a população negra e pobre não tem as mesmas oportunidades de ensino básico que são ofertadas aos jovens brancos e ricos, nem mesmo as mesmas condições de sobrevivência não podem chamar de “vitimismo” essa desigualdade, sendo que as cotas proporcionam um mínimo de igualdade e de reparação histórica.

 

Nossa luta consiste em combater o genocídio da população negra, pobre, periférica, a perseguição contra religiões de matizes africanas, preconceito e feminicídio contra mulheres,  LGBT’s e qualquer outro tipo de desrespeito às diferenças.

 

 

 

Seguimos #NaLutaPorGarantiaDeDireitos

 

 

Please reload

Posts Em Destaque

A UNAS é eleita a melhor ONG do Brasil na categoria Desenvolvimento Local

August 8, 2017

1/1
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo